Loading Player...


Você está ouvindo uma transmissão ao vivo ...
OUÇA EM OUTROS DISPOSITIVOS:
OR Choose your mobile to Tune-In

Delkiza Cavalcante expõe relato da sua participação na Conferência Nacional de Saúde das Mulheres

Na sessão desta terça-feira, 22, a vereadora Delkiza Cavalcante (PSDC) utilizou a tribuna da Câmara Municipal do Assú para expor os quatro dias intensos de debates que participou por ocasião da 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres (2ªCNSMu), que reuniu em Brasília (DF), no período de 17 a 20 de agosto, 1.800 pessoas. Destas, 1.261 delegadas representavam todos os estados da federação, a exemplo dela que representava o RN. A defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) foi a pauta permanente nas discussões do evento, organizado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS).

De acordo com a sua exposição, na quinta-feira (17), ocorreu o ato “Pela Saúde e Pela Vida das Mulheres”, marcado por uma caminhada a partir do Museu da República. Nos dias 18 e 19, as discussões foram baseadas nos quatro eixos principais da conferência (O papel do Estado e seus reflexos na vida e na saúde das mulheres; O mundo do trabalho; Vulnerabilidades e equidade na vida e na saúde das mulheres e Políticas públicas para as mulheres e a participação social). No dia 20, o CNS e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) premiaram experiências brasileiras inovadoras de Participação Social e Saúde Integral das Mulheres no Sistema Único de Saúde (SUS), além de ocorrer a plenária final.

Para a vereadora Delkiza Cavalcante, os desdobramentos da Conferência serão estratégicos para a efetivação da integralidade da saúde das mulheres. “Da Conferência saíram motivos para muitas outras lutas, as propostas construídas precisam ser trabalhadas nos estados e municípios para que sejam efetivadas e de fato possamos ter mais integralidade e equidade para a saúde das mulheres”, afirma.

Cerca de 320 propostas irão integrar o relatório final da conferência, que será apresentado em outubro no colegiado do CNS. Além disso, as delegadas propuseram 24 moções de apoio e repúdio. 15 continham as 320 assinaturas das delegadas, como previsto no regimento da Conferência, e, assim, puderam seguir para a votação no plenário. Na Tribuna da Câmara Municipal do Assú, Delkiza também destacou sua participação ao lado de um conjunto de mulheres que se posicionaram contra a Emenda Constitucional 95/2016, que congela os gastos com saúde e educação por 20 anos.

Durante a plenária final, seis experiências diferentes de projetos do “Laboratório de Inovação” receberam menção honrosa do CNS da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), entre as quais o projeto Barriguda, em Macaíba (RN), que realiza pré-natal na comunidade quilombola Capoeiras.

Delkiza destacou que a 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres (2ª CNSMu), ocorreu após 30 anos da primeira edição e concluiu mostrando a importância do poder legislativo nos debates voltados a coletividade.

Alderi Dantas
AD Comunicação Integrada

Publicidade: